A população da cidade de Centro do Guilherme, a 189 km de São Luís, está revoltada com a prisão de uma mulher identificada como Fátima Araújo Sousa e tenta impedir, a todo custo, a transferência dela para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís.

Segundo informações do professor Leonardo Ferreira, morador do município, Fátima, que também é conhecida como “Fátima do Sapecado”, foi julgada e condenada por abuso sexual contra as suas próprias filhas, ocorrido há dois anos em Centro do Guilherme. No entanto, ele afirma que, apesar da decisão judicial, ela não seria culpada e sim o seu ex-companheiro foragido desde a época do crime.
fotocentrodoguilherme“Ela está presa por um crime que ela não cometeu. O ex-marido dela que abusou das duas filhas dela adolescentes e depois fugiu da cidade. Como a Polícia não conseguiu pegar ele prendeu ela. A Fátima foi condenada a 65 anos de cadeia por um crime que não cometeu. É revoltante”, relatou o professor.


O professor afirma que a população do local, que realiza vigília em frente à delegacia desde a noite desta segunda-feira (13) para tentar impedir a transferência de Fátima para Pedrinhas, está preparada para atear fogo no distrito policial, caso ela seja encaminhada para a capital.

“O povo achou que ela foi injustiçada e por isso mesmo decidiu que deveria fazer alguma coisa em favor dela. Desde ontem estamos vigiando a delegacia. Já teve muita manifestação e se ela sair daqui nós vamos queimar a delegacia”, disse.

Ainda conforme o professor Leonardo Ferreira, o delegado de Centro do Guilherme teria pedido a população o prazo de até às 17h desta terça-feira (14) para solucionar o problema. “O delegado pediu que a gente esperasse até às cinco da tarde para resolver a situação”, finalizou.
Populares vigiam delegacia de Centro do Guilherme para impedir transferência de detenta  (Foto: Leonardo Ferreira)