Thalyta LaciPagamentos realizados pela prefeitura de Raposa a três empresas, que nunca prestaram serviço ao Município e sequer participaram de processo licitatório. As transações bancárias aconteceram no dia 11 de agosto de 2014, na gestão da ex-prefeita, Talita Laci. A quantia total destinada aos ‘fornecedores’.


Numa decisão sem fundamento jurídico consistente, o TRE-MA se acovardou e não julgou o caso da Raposa, segundo os fatos, a jurisprudência atual, nem segundo a decência jurídica.

Na caso idêndico de Arari, onde houve a participação direta do prefeito na compra de votos, o TRE-MA fechou os olhos para as robustas provas.


No Caso da Raposa, onde não há qualquer relação do prefeito e o vice com os atos da vereadora que comprava votos, o TRE-MA viajou em suposições, obrigando ao TSE o devido reparo em grau de recurso.


Talita Laci já esteve prefeita de Raposa por 15 dias e, em apenas nesse intervalo de tempo cometeu 4 crimes contra o erário municipal, veja:





1º Crime:

Desvio de R$ 138.438,20 através da empresa I.F. de Oliveira Comercio, CNPJ nº 13.950.906/0001-19, que não teria contrato ou prestação de serviços para a prefeitura de Raposa.
01

2º Crime: 
Desvio de R$ R$ 74.340,50 através da empresa Settimus Empreendimentos e Serviços Ltda, CNPJ nº 18.046.504/0001-08, que não teria contrato ou prestação de serviços para a prefeitura de Raposa.
023º Crime:
 Desvio de R$ 71.963,50 através da empresa M. Ricardo Rodrigues, CNPJ nº 19.110.951/0001-41, que não teria contrato ou prestação de serviços para a prefeitura de Raposa.
03
4º Crime:
Nos 15 dias em Talita Laci esteve à frente da prefeitura, há registro de desaparecimento de bens patrimoniais pertencentes à Prefeitura de Raposa. Os desaparecimentos dos bens foram levados ao conhecimento da polícia.

BO
BO01
BO02
come