Aderrota do governador Flá- vio Dino (PCdoB) nas elei- ções dos principais colé- gios eleitorais do Ma ranhão dominou os debates de ontem na Assembleia Legislativa. Em caloroso embate com governistas, oposicionistas Adriano Sarney (PV), Edilázio Júnior (PV) e Andrea Murad (PMDB) criticaram a interferência do Palácio dos Leões no pleito e apontaram o comunista co mo grande derrotado na disputa.

O deputado Adriano Sarney afirmou que “os dias do comunismo no Maranhão estão contados”. E citou municípios como Imperatriz, Caxias, Barreirinhas, Bacabal, Codó, Presidente Dutra, Grajaú e Lago da Pedra, onde Flávio Dino foi derrotado.

 Adriano Sarney acrescentou que, em São Luís, onde partidos governistas alardeavam que o prefeito Edivaldo Júnior seria reeleito no primeiro turno, as urnas deram uma resposta contrária: haverá segundo turno, e a disputa será entre o deputado Eduardo Braide e o prefeito. “E não adiantou falar que Eduar - do Braide é sarneysista, porque Eduardo Braide é da base do Flávio Dino, que vai traí-lo na maior cara de pau. Não adiantou falar que o Wellington era sarneysista. Não adiantou falar que o delegado Assis era sarneysista. Não adiantou falar que Alberiquinho era sarneysista. 

Não adiantou falar que o Fábio Gentil era sarneysista. O importante é que o povo do Maranhão deu a resposta”, afirmou Adriano Sarney. Reprovação O deputado Edilázio Júnior disse que o comunismo foi derrotado nas ur - nas. Ele frisou o fracasso do governador Flávio Din, iniciando sua aná- lise pela cidade de Imperatriz, onde a candidata do governo, Rosângela Curado (PDT), ficou em terceiro. “E quem ganhou? Quem ganhou? O 15, o PMDB. O 15 do Lobão Filho que estava lá há dois anos.
O 15 da governadora Roseana, do senador João Alberto. O PMDB vai comandar, a partir de janeiro de 2017, a maior cidade do interior do estado”, 

declarou Edilázio Júnior. Ele citou também os municípios de Pinheiro, Lago da Pedra, Codó, Caxias, Barreirinhas, Grajaú, Dom Pedro, onde os candidatos apoiados por Flávio Dino perderam a eleição. Ao ocupar a tribuna, a deputada Andrea Murad criticou a ação do governo durante as eleições. “O governador Flávio Dino, a quem só falta um pequeno bigode e se chamar Adolf para ser o ‘Hitler do Maranhão’, comandou pessoalmente a ocupa- ção policial em Coroatá”, afirmou. Ela frisou que, em Coroatá, a lei, a ordem pública e as regras democráticas foram “escandalosamente subvertidas”, em afronta à Constituição. 

“E com a conivência de uma promotora e uma juíza que mais pareciam funcionárias do governo. O que se passou de fato na eleição em Coroatá ultrapassou todos os limites do que é razoável e é um exemplo claro da forma déspota, irracional e ditatorial como alguém insano e desequilibrado, recorrendo à força, à arbitrariedade e à descarada compra de votos”, completou.