Blog Joceilton Gomes: Eduardo Cunha abala as estruturas do poder e tira o sono de políticos de todas as colorações partidárias
segunda-feira, 24 de outubro de 2016
Eduardo Cunha abala as estruturas do poder e tira o sono de políticos de todas as colorações partidárias não só pelo potencial explosivo de suas possíveis revelações. O poderoso ex-presidente da Câmara, preso em Curitiba, possui um amplo acervo, com áudios, vídeos e documentos de negociatas que envolvem integrantes das cúpulas de PT e PMDB. E está disposto a entregá-lo à Justiça
Familiarizado com os segredos mais recônditos de políticos dos mais diversos matizes, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) estremece o poder. Desde que foi preso na última quarta-feira 19, ele tornou-se o novo homem-bomba da República, capaz de acelerar os batimentos cardíacos de pelo menos sete em cada 10 parlamentares do Congresso. Não por acaso, sua prisão foi comparada a uma espécie de “toque de recolher” no Legislativo. Minutos depois de sua detenção, não havia viva alma na Câmara e Senado para contar história. Pudera. Uma delação daquele que pode ser considerado o presidente da Câmara mais poderoso desde a redemocratização tem potencial explosivo só comparável ao atribuído ao depoimento de Marcelo Odebrecht, dono da maior empreiteira do País – que mantém negociações avançadas para homologar a colaboração premiada com a força-tarefa da Lava Jato. As revelações de Cunha podem atingir não apenas o PMDB, seu partido, do qual por muitos anos foi uma espécie de caixa responsável por arrecadar recursos com empresas e repassá-los a candidatos do partido País a fora. Mas incriminar também aliados de um amplo leque de legendas. Sobretudo políticos com os quais conviveu intimamente, do atual e de governos anteriores. Ou seja, ele sabe demais e é por saber demais que ele impõe medo e dissemina o pânico em Brasília.


O peemedebista é uma espécie de caixa-preta do submundo da capital federal. Conforme apurou ISTOÉ, suas contribuições devem ir além de simples relatos. Cunha guarda consigo um extenso acervo, com áudios, vídeos e documentos, de negociatas que envolvem integrantes da cúpula de PT e PMDB e cerca de 200 deputados de sua base de apoio. O material – considerado nitroglicerina pura por quem já o manuseou – contém detalhes da distribuição de recursos do Petrolão e poderá, entre outros fatos, elucidar casos de corrupção no Porto de Santos, que atinge o coração do PMDB, e no projeto do Porto Maravilha. Parte robusta desse dossiê foi armazenada graças a tecnologias instaladas nos escritórios do ex-presidente da Câmara. Segundo ISTOÉ apurou, Cunha contava com um arsenal antiespionagem. Além de câmeras e escutas ambientais para gravar reuniões, ele dispunha de um dispositivo que, quando acionado, emitia ondas eletromagnéticas capazes de cortar sinais de celulares no ambiente e impediam que o interlocutor gravasse as conversas.

Embora sempre tenha negado publicamente a possibilidade de fechar um acordo com a Justiça, há tempos Cunha discute o assunto com seus advogados. Recentemente, adicionou o defensor Marlus Arns, responsável por uma série de acordos na Operação Lava Jato, ao seu grupo de defensores. Metódico, Cunha, nos últimos meses, passou a fazer um inventário de tudo o que ouviu e acumulou.

Por tudo o que pode vir a revelar, o novo homem-bomba da República produz um cenário considerado inimaginável para as circunstâncias políticas recentes. É capaz de unir por conveniência próceres de PT e PMDB – solidários na dor profunda que Cunha poderá impingir a ambas as siglas. Caso se mantenha firme no propósito de implodir o status quo político para livrar mulher e filhos da cadeia, o peemedebista poderá narrar com detalhes o quanto Lula e Dilma Rousseff sabiam e se beneficiaram dos desvios da Petrobras e quais negociatas patrocinaram, direta e indiretamente. Pelo menos, um petardo no atual governo é certo. Cunha já acusou o secretário do Programa de Parcerias de Investimento do atual governo, Moreira Franco, de estar por trás de irregularidades na operação para financiar as obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. Neste caso, o próprio ex-presidente da Câmara é acusado de receber R$ 52 milhões em propina. Se Cunha tiver disposto a fornecer novos detalhes das tramóias feitas durante as liberações de crédito pela Caixa, os investigadores acreditam que podem chegar a mais um ministro: Geddel Vieira Lima (PMDB-BA).

Nas últimas semanas, ao mesmo tempo em que pedia ajuda, Cunha fazia questão de avisar ao governo e a antigos aliados que já estava preparado para as conseqüências da prisão. Durante um dos discursos de defesa do seu mandato na Câmara, ameaçou. “Hoje sou eu. É o efeito Orloff. Vocês, amanhã”, afirmou. Um recado digno de causar arrepio a deputados que ajudou a eleger. Um dos inquéritos abertos contra Cunha e que envolve aliados seus dá a medida do alcance de sua teia. Os atuais deputados André Moura (PSC-SE), líder do governo na Câmara, Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Altineu Côrtes (PMDB-RJ) e Manoel Junior (PMDB-PB) se tornaram investigados sob suspeita de, comandados por Cunha, terem atuado na Câmara para achacar a empresa Schahin, por conta de uma disputa comercial que ela mantinha com o corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro, amigo do ex-presidente da Câmara que atualmente se encontra preso por determinação do Supremo Tribunal Federal. Um dos fundamentos de sua prisão é que ele agia “subrepticiamente” por meio de terceiros para cometer crimes, dentre eles parlamentares aliados.

A relação que Cunha mantinha com Funaro abre outro flanco contra Geddel. Mensagens apreendidas pela Polícia Federal mostraram Funaro afirmando que Geddel tem “boca de jacaré para receber” e que tentava prejudicar negócios dos quais não participava, na época em que o ministro era vice-presidente da Caixa Econômica Federal. O material está nas mãos da Procuradoria-Geral da República. Cunha mantinha influência na Caixa por meio de seu apadrinhado Fábio Cleto, que também ocupava uma vice-presidência do banco público e revelou, em delação premiada, achacar empresas a pedido de Cunha em troca de propina.

O mundo empresarial também reúne motivos de sobra para se preocupar com uma eventual delação. O ex-deputado agia como verdadeiro lobista de grandes empresas na Câmara. Um dos grupos beneficiados pelo ex-parlamentar foi o das operadoras de planos de saúde. Elas seriam diretamente beneficiadas por uma articulação que perdoaria R$ 2 bilhões em multas do setor. Por meio de uma emenda “jabuti” à Medida Provisória 627, que tratava da tributação de empresas no exterior, o então líder do PMDB tentou agradar planos de saúde que financiaram sua campanha e a de aliados. Com sua influência, Cunha conseguiu costurar a aprovação do perdão às dívidas na Câmara e no Senado. O texto só não vigorou porque recebeu o veto da presidente Dilma Rousseff.

Outra beneficiada por uma emenda de Cunha foi o Grupo Libra. Detentor de uma dívida milionária com o governo federal, o conglomerado de logística obteve autorização para administrar uma área do Porto de Santos (SP). A brecha na lei criada por uma decisão do ex-presidente permitia a empresas em dívida com a União renovarem contratos de concessão de terminais portuários, beneficiando a empresa que doou para o PMDB em 2014.

Durante a tramitação do Marco Civil da Internet na Câmara, Cunha foi um dos principais opositores a pontos da matéria que contrariavam interesses do setor de telecomunicações. Uma das empresas da área, a Telemont, fez doação de R$ 900 mil ao peemedebista. O Ministério Público Federal revelou também a existência de pagamentos feitos por empresas da família Constantino, dona da Gol Linhas Aéreas e de companhias de ônibus, para a C3 Atividades de Internet, empresa de Cunha e sua mulher. Houve ainda repasses de uma agência de publicidade para a C3 e para a GDAV, empresa em nome dos filhos de Cunha. A agência informou aos procuradores que realizou as transferências a pedido da Gol. O total das transferências ultrapassa R$ 3 milhões. “Não há indício de que as empresas Jesus.com (da C3) e GDAV tenham prestado algum serviço efetivo de publicidade compatível com os valores depositados. Ao analisar possíveis favorecimentos de Eduardo Cunha para empresas de ônibus, consta que em 30/3/2015, o ex-deputado federal, na qualidade de presidente da Câmara dos Deputados, criou uma comissão especial para analisar a isenção de CIDE para as empresas de transporte coletivo urbano municipal e transporte coletivo urbano “alternativo”, escreveram os procuradores da força-tarefa no pedido de prisão.

0 comentários:

Postar um comentário

União FM

Facebook

Horóscopo

Cotação do Dolar

Boletim de Noticias

Brasileirão (A)

Carregando...
Brasileirão

Publicidade

Publicidade

Postagens mais visitadas