MARILENE MARQUES MOREIRA é formada em pedagogia, exerce a função de professora, trabalha como empresária no ramo das rendas, preside a Associação das Rendeiras e Artesãos da Praia da Raposa.

Mesmo sem ser marisqueira ou pescadora, MARILENE vem recebendo seguro DEFESO desde 2013, enquanto os pescadores e marisqueiras que exercem a função, e que realmente precisam do seguro DEFESO, não recebem.

Qual é mesmo o caráter que a colônia de pescadores de raposa adota pra colocar esse tipo de gente pra receber o seguro DEFESO?

Enquanto aqueles que de fato que exercem a função, não recebem. Outros que nunca melou os dedos de lama procurando sarnambi recebem o benefício.

Lembrando que: aquele que recebe dinheiro público Federal indevidamente, são cabíveis de processos judiciais, reparação e devolução dos erários recebidos.

Documentos comprovam a verdadeira fraude, feita por Quadrilhas instaladas na Colônia de Pescadores de Raposa Z-53, e pela Presidente da Colônia Pescadores Andreia Sayre Coutinho e a Pedagoga Marilene Marques Moreira ambas vão responder por vários processos e ainda tem mais pessoas envolvidas no esquema.


(1º) Por prestação de conta, da Marilene Marques Moreira a Presidente e Responsável pela Associação das Rendeiras e Artesãos da Praia da Raposa, inscrita no CNPJ/MF nº 12.567.426/0001-00, entidade associativa das rendeiras e artesãos do Município, sem fins lucrativos, com sede à Rua da Lavanderia, nº 223, Cacarape, Praia da Raposa, no valor total de R$ 5.081,00 (cinco mil e oitenta e um reais), com a finalidade de subsidiar a construção da Sede da entidade, conforme acordo firmado entre o Município, a associação e o Banco do Brasil S/A. mais a sede era de faixada, hoje o prédio e alugado para uma igreja evangélica no local. 


A ação de prestação de contas visa à extinção dessa obrigação, apurando-se o saldo porventura existente. A iniciativa pode caber a quem tem o direito de exigir as contas como àquele que tem a obrigação de prestá-las.

(2º) A Pedagoga Marilene Marques Moreira, também esta envolvida em uma fraude no seguro-defeso, juntos com a Presidente da Colônia de Pescadores a Z-53 de Raposa por várias solicitações de Liberação de Seguro defeso, a própria não tem direito ao benefício por que e empresaria e Pedagoga e pela lei e ilegal. 

O réu pode ser condenado a dois anos e oito meses de reclusão, ao pagamento de multa no valor de R$ 954(Novecentos e cinquenta e quatro reais) (atualizados monetariamente desde a data de consumação do crime até o dia do pagamento) e à devolução ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) dos valores recebidos indevidamente, acrescidos de juros de 1% ao mês desde a data dos saques de cada parcela do seguro-desemprego. A pena restritiva de liberdade pode ser convertida em prestação de serviços à comunidade.


A suspeita é de que Andréa Sayre venha cadastrando falsos pescadores com a finalidade de dividir os recursos recebidos por estes mesmos, em ação que caracteriza crime, se comprovadas às denúncias.
Em documentos constantes da denúncia é possível observar, nas cópias da lista de beneficiários da Colônia anexadas, clara discrepância entre os valores recebidos por estes falsos pescadores e os demais cadastrados junto à Instituição.

Enquanto os valores recebidos pelos cadastrados chegam a média a R$ 2.400, há casos de beneficiários presentes na lista cujos valores recebidos alcançam a soma de R$ 11.000, sem nenhuma justificativa aparente. Alguns destes, nem moradores de Raposa seriam.

Outro dado curioso apontado nos documentos entregues à PF é que entre estes super. Marajás da Colônia de Raposa constam servidores efetivos do município de Raposa e, pelo menos, um policial militar.

A denúncia revela, ainda, que a fraude pode se estender ao INSS, onde Andréa Sayre teria grande influência. Segundo relatos de fontes do município, a presidente cobraria cerca de R$ 8 mil reais por cada aposentadoria concretizada junto ao órgão.

Os candidatos a deputado estadual Edson Araújo (PSB) e seu filho, Wolmer Araújo (PV), candidato a deputado federal, vêm cometendo um verdadeiro estelionato eleitoral em dezenas de municípios maranhenses.

A dupla tem percorrido diversas cidades e assegurando que o Seguro Defeso irá ser pago a partir do próximo dia 10 deste mês, isto é, após a eleição. Para reforçar a promessa, Wolmer e Edson inventaram até uma carta de agendamento do INSS.

A estratégia maquiavélica é simples, a dupla que comanda a Federação das Colônias de Pescadores do Estado do Maranhão (FECOPEMA), cria uma expectativa nas pessoas que realizaram o cadastro (processo) e, dessa forma, ganha os votos dos supostos beneficiários.

Acontece que o Seguro não será liberado, tudo não passa de uma grande farsa eleitoral. Estelionato puro, com intuito meramente de ganhar votos, configurando assim conduta vedada e crime eleitoral. O Ministério Público está de olho no caso.

O esquema mentiroso ainda consegue enganar muita gente em muitos municípios, mas em outros, os presidentes das Colônias não caem mais no mesmo golpe e, estão, de forma sistemática, abandonando Edson Araújo e Wolmer Araújo, que vêm chantageando os dirigentes de entidades a votarem casados para deputado estadual e federal.

Já no município de Raposa, dezenas de pescadores estão com a pulga atrás da orelha, uns acreditam, outros sabem que tudo não passa de uma compra de voto velada. Durante toda da semana, a presidente da Colônia de Pescadores do Município (Z-53), Andrea Sayre Gonçalves Coutinho, tem se esforçado na realização de inúmeras reuniões na tentativa de convencer os colonizados que o Seguro irá sair após a eleição.