Durante a pandemia do novo coronavírus, empresários de todo o país vivem o desafio de manter o negócio vivo em tempos de distanciamento entre empresa e clientes. Na grande São Luís, o lockdown amplia essa dificuldade de vender, apesar de ser uma medida necessária para conter o avanço do vírus.

PERGUNTAS E RESPOSTAS: tire suas dúvidas sobre o lockdown
ANTES E DEPOIS: fotos mostram São Luís após bloqueio
O QUE MUDA: o que pode ou não pode com o bloqueio total
Dentre inovação e redução de custos, emprendedores e especialistas no Maranhão citam várias estratégias para não acabar em falência.

Hildenê Maia, gerente de gestão de atendimento e relacionamento com clientes do Sebrae, aponta a falta de planejamento como grande causa para falências e demissões.

"No Maranhão, a redução do faturamento e dos lucros, além do aumento de endividamento e não utilizar sistemas tecnológicos adequados para atender seus clientes são causas que podem ter levado a falência. Como forma de prevenção, o primeiro passo é ajustar o planejamento da empresa. Se faz necessário otimizar custos, revisar contratos com fornecedores, negociar dívidas, buscar alternativas de crédito e investir na presença digital do seu negócio", explica.

José Júnior, sócio investidor da empresa de consultoria Thalamus, já indica como fator para o fim de uma empresa a falta de um modelo de negócio sólido que suporte crises.

"A falência com menos de 90 dias tem forte relação com o modo de gerenciamento e entrega de valor do negócio antes da pandemia, que trouxe o isolamento social e paralisação das atividades da grande maioria dos negócios por não estarem com seus modelo de negócios desenhados para coexistir no mundo físico e digital", conta.

Empresariado aprende na prática
Saullo Lima gerencia uma sorveteria no bairro do Cohatrac. Lá os clientes não podem mais ficar no estabelecimento, apenas comprar e levar para casa. Outro impacto da pandemia foi o afastamento necessário de funcionários no grupo de risco.

O empresário conta que apostou nas promoções, mesmo com a queda no movimento. Saullo diz ainda que conhecer o cliente foi essencial para gastar apenas com o indispensável.

"Nesse período, resolvemos adotar promoções quase que diariamente e tem dado bem certo. Somado ao Marketing digital, está sendo muito importante pra garantir a rotatividade das vendas, mesmo que cedendo uma parte da lucratividade"
"Ter um bom conhecimento da nossa demanda foi fundamental. Assim, a gente pôde realinhar nosso estoque de segurança e tomar decisões mais precisas em relação às compras", afirma o empresário.

Rosely Borges é da área da contabilidade e adaptou sua empresa, no Maranhão Novo, ao trabalho em home office. Agora é por meio da consultoria e serviços online que ela mantém o faturamento, mesmo com a empresa fechada.

"Aqui estamos trabalhando muito para dar suporte aos empresários, buscando a melhor opção de evitar despesas e gastos desnecessários. Um momento muito delicado, de cenário confuso, onde ouvir e analisar a situação tem sido primordial para buscar alternativas sem tanto impacto para todos", relata Rosely.

A empresária também está ouvindo clientes e tendo empatia com aqueles que não estão podendo pagar os honorários nesse momento.

"Alguns relataram dificuldade para pagar os honorários do escritório. Muitos deles são clientes há muito tempo e são pessoas de boa índole. Sabemos que é por conta da situação do momento. Então eu suspendi os honorários de abril, maio e junho e vou dissolver esse valor a partir de julho", afirma a empresária.
Já o empreendedor Thyago Menezes acreditou na inovação para fazer modificações pontuais no modo de vender e assim continuar faturando com seu negócio, focado em certificações digitais.

"Inovamos no modelo de negócio implementando a possibilidade do atendimento por videoconferência, embora exista algumas condições para que o cliente possa realmente ter acesso a esse serviço. Além disso, implementamos a possibilidade de baixar o certificado digital outras vezes, além da primeira baixa. Já era algo que vinhamos trabalhando e aceleramos o projeto para nos diferenciar também com isso", conta Thyago.

Hildenê Maia acrescenta outra estratégia para o empresariado, que é manter contato com os clientes e ser transparente nesse período, especialmente no meio em que as pessoas mais estão conectadas: A internet.

"Adaptação é a palavra chave para a sobrevivência dos pequenos negócios. As empresas precisam aprender a ter uma presença digital mais forte para conectar seu negócio com o seu público. Avise seus clientes que você está de portas fechadas, mas continua funcionando pela internet. Utilize as redes sociais para divulgar a forma de como os seus serviços estão funcionando, quais são horários de atendimento, promoções, quais são os canais de atendimentos e meios de pagamentos e, claro, expondo os seus produtos e serviços"

"Tenha uma presença digital cativante, crie um calendário, pense em datas comemorativas, período de promoção, entre outros. Crie relacionamento, curta os comentários, responda, peça opinião sobre o seu atendimento", explica.
Já José Júnior lembra que a pandemia vai passar e que o empreeendedor não pode esquecer do mundo 'pós-coronavírus', que deve trazer novos desafios.

"O empreendedor não deve tomar como verdade absoluta que o comportamento do cliente visto durante a pandemia seja o mesmo pós-pandemia, pois, o que esperamos é que a retomada seja mais acelerada para alguns segmentos e mais lenta para outros, mas que a demanda online e presencial vão tender ao equilíbrio que exigirá do empreendedor a presença nos dois ambientes", conta o sócio-investidor da Thalamus.

Mentorias gratuitas
Recorrer a empresas de consultoria também pode ser uma boa ideia. No Maranhão, o Sebrae e a Thalamus estão oferecendo orientações gratuitas para qualquer negócio.

Na Thalamus, a empresa diz que basta fazer o cadastro e aguardar o contato com a confirmação do agendamento. Cada mentoria dura aproximadamente 40 minutos.

Já no Sebrae, Hildenê Maia afirma que há consultorias online gratuitas de até 1h nas temáticas de finanças, inovando na crise, marketing e vendas, dúvidas trabalhistas, entre outros.

"O empresário faz o agendamento pela nossa Central 08005700800 ou pelo (98) 99991-2335. Temos mais de 400 cursos online gratuitos tanto para o empresário ou para quem quer empreender. E ainda temos no nosso portal Converse com o Sebrae por chat ou email. E estamos realizando lives pelas redes sociais para deixar o nosso empresário informado sobre diversos temas", conta Hildenê.

0 Comentar:

Postar um comentário

Contato

Joceilton Gomes, Radialista DRT 002235 , Locutor,Apresentador e Animador, Programador, Designer Gráfico

Pesquisar este blog

Elo Internet

Elo Internet

Aquivos